TSI: Existe uma relação de concurso ideal entre os crimes de condução em estado de embriaguez, de condução perigosa e de ofensa grave à integridade física por negligência grosseira
Gabinete do Presidente do Tribunal de Última Instância
2022-11-28 17:12
The Youtube video is unavailable

Na madrugada do dia 4 de Agosto de 2019, A, sabendo bem que tinha consumido bebidas alcoólicas, ainda assim conduziu o seu automóvel ligeiro na via de trânsito à esquerda na Ponte da Amizade, em direcção à península de Macau, circulando atrás do motociclo do ofendido B. Sob influência de álcool, A não podia controlar a velocidade do automóvel e embateu, por trás, na parte traseira do motociclo de B, causando-lhe queda no chão e ficando ferido. Após a ocorrência do acidente, A desceu de imediato do automóvel para verificar a situação, e tomou conhecimento de que B estava ferido, mas para fugir à responsabilidade e evitar ser descoberta a sua condução sob influência de álcool, A conduziu imediatamente o automóvel e abandonou o local, sem chamar a Polícia. Após a audiência de julgamento, o Juízo Criminal do Tribunal Judicial de Base condenou A pela prática dum crime de condução em estado de embriaguez, p. p. pelo art.º 90.º, n.º 1 da Lei do Trânsito Rodoviário, um crime de condução perigosa de veículo rodoviário, p. p. pelo art.º 279.º, n.º 1, al. a) do CPM, um crime de ofensa grave à integridade física por negligência grosseira, p. p. pelo art.º 142.º, n.º 1 e n.º 3 do CPM, em conjugação com o art.º 93.º, n.º 1, n.º 2 e n.º 3, al. 1) da LTR, e um crime de abandono de sinistrados, p. p. pelo art.º 88.º, n.º 1 da LTR. Em cúmulo jurídico, foi A condenado na pena de 2 anos e 9 meses de prisão efectiva, e na inibição de condução por 4 anos e 6 meses. Além disso, foi condenada a 1ª demandada cível, Companhia de Seguros C, a pagar a B uma indemnização no montante de MOP807.556,63.

Inconformados, A e C recorreram para o Tribunal de Segunda Instância.

O Tribunal Colectivo do TSI conheceu da causa. A entendeu que não devia ser condenado pelo Tribunal a quo pela prática simultânea dos crimes de condução em estado de embriaguez, de condução perigosa e de ofensa grave à integridade física por negligência grosseira, por existirem relações de concurso de diferentes níveis entre estes três crimes. Face a tal questão, indicou o Tribunal Colectivo que existem efectivamente relações de concurso de diferentes níveis entre os crimes envolvidos. No crime de condução perigosa, trata-se do perigo concreto, e basta a existência de um perigo concreto para integrar o crime, cujos requisitos constitutivos incluem a condução de veículo em estado de embriaguez e a violação grosseira das regras de trânsito, entre outras. É óbvio que há uma relação de absorção entre o crime de condução perigosa e seu requisito constitutivo – condução em estado de embriaguez, sempre que seja verificado o perigo concreto causado pela conduta de condução à vida ou à integridade física de outros. Desta forma, no caso sub judice, A deve ser condenado pela prática de um só crime de condução perigosa. Por outro lado, em princípio, são diferentes os bens jurídicos protegidos no crime de condução perigosa e no crime de ofensa grave à integridade física por negligência grosseira, entre os quais se verifica o concurso real. Porém, a situação é diferente no caso concreto, uma vez que A foi acusado da prática dum crime de condução perigosa previsto pelo art.º 279.º do CPM, com circunstâncias agravantes previstas pelos art.ºs 281.º e 273.º do CPM. O bem jurídico que a lei pretende salvaguardar, ou seja a integridade física, já foi incorporado às circunstâncias agravantes consagradas nos artigos em apreço, tornando-se um dos requisitos constitutivos do respectivo crime agravado, o que deu lugar ao concurso ideal entre este crime e o crime previsto pelos art.ºs 142.º, n.º 3, e 138.º, al. c) do CPM, com circunstâncias agravantes previstas pelo art.º 93.º, n.º 2 e n.º 3 da LTR. Deve-se escolher o primeiro crime por ser mais elevada a pena aplicada. Por isso, procede o recurso de A nesta parte.

E improcede o recurso do pedido de indemnização civil enxertado, interposto pela Companhia de Seguros C.

Pelo exposto, acordaram no Tribunal Colectivo em conceder parcial provimento ao recurso de A, passar a condenar A pela prática dum crime de condução perigosa de veículo rodoviário agravado, p. p. pelo art.º 279.º, n.º 1, al. b), em conjugação com os art.ºs 281.º e 273.º do CPM, e manter a condenação pelo crime de abandono de sinistrados, p. p. pelo art.º 88.º, n.º 1 da LTR, bem como a pena aplicada pelo Tribunal a quo (7 meses de prisão e inibição de condução por 1 ano). Em cúmulo jurídico, A passou a ser condenado na pena de 2 anos e 8 meses de prisão efectiva, e na inibição de condução por 3 anos. Negou-se provimento ao recurso interposto pela Companhia de Seguros C.

Cfr. Acórdão do Tribunal de Segunda Instância no Processo n.º 994/2021.

 

Subscreva “GCS RAEM – Plataforma de notícias do governo” no Telegram https://t.me/macaogcsPT para receber as últimas notícias do governo.

Subscreva “GCS RAEM – Plataforma de notícias do governo” no Telegram https://t.me/macaogcsPT para receber as últimas notícias do governo.
Inscrição
GCS RAEM Facebook
GCS RAEM Facebook
GCS RAEM Wechat Channel
GCS RAEM Wechat Channel
澳門政府資訊
澳門特區發佈
GCS RAEM Plataforma de notícias do governo
GCS RAEM Plataforma de notícias do governo
Link is copied.